Cearenses fora do Brasil têm dificuldades para voltar ao Estado por conta do coronavírus

Compartilhe!

Cearenses em roteiros internacionais durante a pandemia do novo coronavírus (Covid-19) têm desafio ampliado na volta para casa com o cancelamento de voos e fechamento de fronteiras. Tais medidas, anunciadas por empresas como aéreas, que suspenderam em parte, ou integralmente, as linhas partindo de Fortaleza com destino à Argentina, Estados Unidos e Espanha, por exemplo, visam conter o avanço da doença.

“Foi uma grande surpresa”, descreve Fabíola Coelho, quando soube que os casos confirmados de infecção pelo novo coronavírus motivaram o cancelamento de viagens aéreas e o fechamento das fronteiras no Peru, anunciados na quarta-feira (15), pelo presidente do país, Martin Vizcarra. “Chegou uma mulher dizendo: ‘gente tá tudo fechado, Machu Picchu fechou, e o Governo peruano disse que quem quiser sair do país, ou entrar, só pode fazer isso hoje até 23 horas’. A partir daí foi uma loucura, todo mundo correndo para estação de trem para conseguir retorno para Cusco”, relata a administradora.

Fabíola embarcou junto da filha, no início de fevereiro, para a viagem programada com 13 dias de passeios. No entanto, a estadia deve aumentar para 25 dias com a quarentena determinada pelo Governo local. Os custos para permanecer no país já ultrapassaram o orçamento planejado, como destaca. “Eu tive de pagar mais 13 diárias. Negociei porque a tarifa inicial era bem alta, mas eles me disseram que nós teríamos todas as alimentações servidas no quarto”, explica. Ainda assim, as tentativas por alterar a passagem continuam sendo feitas.

Com o intuito de voltar antes do dia 31 de março, como prevê a decisão, Fabíola buscou a Embaixada do Brasil e o Ministério das Relações Exteriores brasileiro, e foi orientada a permanecer no Peru. “Vamos ter de ficar confinadas dentro do quarto, talvez a gente possa caminhar no corredor, mas os alimentos são servidos no quarto, a orientação é de não sair nas ruas, está uma cidade fantasma”, acrescenta Fabíola.

A chegada de voos ao Estado também está entre as medidas anunciadas pelo governador Camilo Santana, para conter o avanço da Covid-19, com o pedido pela suspensão de viagens aéreas que tenham como destino o Ceará para a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e para a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Intercâmbio

Thamires Stoppelli está há quase um ano em Portugal, onde estuda Direito e compartilha as vivências com o namorado, estudante da área de tecnologia. Nas férias, no início de fevereiro, o casal resolveu visitar a Itália. Só ao retornar ao país onde moram foi que as notícias sobre o aumento expressivo de casos confirmados da nova doença começaram a ser veiculadas, como conta a estudante. “Em um mesmo dia recebemos diversos e-mails das universidades, primeiro alertando sobre viagens, depois cancelando eventos científicos e palestras, depois cancelando aulas de professores internacionais, suspendendo todas as aulas e, por fim, determinando fechamento da biblioteca, salas de estudos e das universidades”, acrescenta.

Mesmo com a determinação da União Europeia para o fechamento das fronteiras, o casal conseguiu antecipar as passagens de volta agendadas para julho. “Pretendíamos fazer o teste, mas nos informaram que os hospitais só fazem em quem apresenta os sintomas. Então achamos melhor fazer a quarentena com todo o cuidado e possivelmente até por mais tempo, até que seja mais seguro para nossas famílias”, explica.

Em nota, o Itamaraty informou que os Consulados e Embaixadas do Brasil acompanham de perto a situação. “Recomenda-se a todos os cidadãos brasileiros no exterior que mantenham a serenidade e observem estritamente as medidas determinadas pelas autoridades locais”. Não há dados sobre o número de pessoas nessa situação.

DN


Compartilhe!

Comente com Facebook

Visitantes

19201832